No dia 19 de maio foi realizada a live do CRESS-MT em comemoração ao dia da/o Assistente Social pela página do Facebook. Em coro com o tema geral desse dia, aprovado em plenária nacional do conjunto CFESS-CRESS, sendo “O Serviço Social tem um lado, o das trabalhadoras, em suas múltiplas existências e opressões! Chega de ameaças às liberdades democráticas, chega de ataques aos direitos trabalhistas e sociais!”, o CRESS-MT convidou as professoras Qelli Viviane e Eblin Farage para socializar reflexões sobre a condição da classe trabalhadora e os impactos para as mulheres. 

 

 

A live com o título “Trabalhadoras do Brasil, somos e lutamos com elas”, contemplou reflexões e contribuições acerca da conjuntura nacional, a relevância do tema do 15 de maio, a importância do Serviço Social na organização política e coletiva para e enquanto classe trabalhadora, as diversas violências que temos sofrido ao longo dos anos, mas que tem se intensificado e se expressado de formas mais aviltantes no atual governo Bolsonaro.

 

As falas retomaram os impactos das contra-reformas na vida das/os trabalhadoras/es do Brasil, reformas estas que também flexibilizam as políticas públicas, influenciam diretamente nas condições de trabalho e fragilizam a oferta dos serviços públicos. Foi apontado o aumento expressivo da violência no país, vide o aumento também da venda de armas no Brasil no período do atual governo. 

 

 

As contribuições foram enfáticas no que diz respeito à urgência da organização política coletiva, disputa de consciências e quanto é fundamental derrotarmos Bolsonaro nas próximas eleições. 

 

Todo esse debate e construção das lutas devem levar em consideração a heterogeneidade da classe trabalhadora que é diversa, que tem gênero, tem raça, sexualidade e vários outros marcadores sociais. Por fim, as companheiras fizeram apontamentos fundamentais para a categoria pensar nas próximas eleições enquanto momentos importantes de disputa e salientaram que a saída é a organização da classe trabalhadora.

 

Texto: Mércia Gonçalves – coordenadora da Comissão de Direitos Humanos

Responder

Seu email não será publicado.

*
*