No 49° Encontro Nacional CFESS-CRESS, maior espaço deliberativo da categoria, realizado em setembro de 2022, assistentes sociais aprovaram duas deliberações históricas, que caminham em direção a ações afirmativas: a realização de estudos para implementação de cotas para pessoas negras, indígenas, com deficiência e LGBTQIA+ nas eleições do Conjunto CFESS-CRESS até 2025; e a criação no âmbito das entidades, até o término das gestões 2020-2023, comitês antirracistas e anticapacitistas.

A campanha do Conjunto CFESS CRESS realizada no triênio 2017-2020, com o tema: Assistentes sociais no combate ao racismo’ , deixou marcas históricas para a profissão. Resultado disso foi a ampla produção de materiais que valorizam a cultura e a história da população negra, a denúncia das diferentes expressoes do racismo, e o chamamento da categoria para o compromisso com a luta antirracista.

Esse contexto gerou ações, ainda, ações significativas no cotidiano profissional quando assistentes sociais se voltaram para trabalhar o tema racismo no atendimento à população usuária, bem como voltar também o olhar para a própria categoria. A recente publicação do livro Perfil de Assistentes Sociais no Brasil: Formação, Condições de Trabalho e Exercício Profissional, que reuniu os dados coletados de mais de 44 mil assistentes sociais, revelou que a maioria de profissionais se declara negra (50,34%).Nesse sentido, o Perfil revela que é urgente que as entidades sigam debatendo e, especialmente, buscando estratégias de combate às expressões do racismo, que se refletem no interior da profissão.

É urgente, então, que o debate étnico racial seja levado e incorporado à formação e atuação profissional de assistentes sociais, para ampliar o combate à todas as formas de opressão que sustentam e reproduzem sistemática e violentamente a estrutura capitalista e racista, contra uma população que é vilipendiada há séculos no Brasil, no cruzamentos das opressões de raça e classe; é necessário ultrapassar o mero reconhecimento das desigualdades produzidas e compreender as raízes históricas, sociais e estruturantes do racismo.

Considerando a manifestação de assistentes sociais e representantes de Comitê antirracistas, em memória e honra e ancestralidade do povo negro, o conjunto CFESS CRESS publicou 20 recomendações de ações em conjunto para que a luta, o debate e o exercício profissional antirracista sejam incorporados de forma estruturante nas entidades.

Logo, a criação de um comitê específico de enfrentamento ao racismo no âmbito do CRESS MT, é mais que assumir e reconhecer esse compromisso da categoria, é materializar essa luta através de estratégias e ações concretas para lidar com as questões raciais no cotidiano em interface com as demandas institucionais, as demandas dos usuários e as demandas da própria categoria profissional. O compromisso antirracista de assistentes sociais é parte do processo de consolidação do Projeto Ético-político da profissão e, portanto, essencial.

 

Lançamento do Comite Antirracista Cress MT no Evento  Direitos Humanos, Racismo e Saúde Mental com Rachel Gouveia.

Anexos:

CARTA DAS/OS ASSISTENTES SOCIAIS E DOS COMITÊS DE LUTA ANTIRRACISTA AO CONJUNTO CFESS/CRESS de 2022

Carta Aberta dos Comitês Antirracistas do Conjunto CFESS-CRESS

Ebook CFESS – FORMAÇÃO, TRABALHO E PARTICIPAÇÃO SOCIOPOLÍTICA: DADOS COMPLEMENTARES AO PERFIL DE ASSISTENTES SOCIAIS NO BRASIL

Ebook CFESS-Campanha Combate ao Racismo 2020

 

 

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Responder

Seu email não será publicado.

*
*